sábado, 26 de fevereiro de 2011

O "cemitério" de aviões de Manaus - Parte 2

Na segunda parte da série de artigos sobre as aeronaves abandonadas dentro da área do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, falaremos sobre o par de Boeing 737-200 da Vasp: o PP-SMB e o PP-SPG.

Para ler a parte 1, clique aqui





III. Boeing 737-2A1/Adv PP-SMB

O final do mês de janeiro de 2005 é lembrado por muitos como o instante final de vida de uma das mais importantes empresas aéreas do país. Após sete décadas de existência, a Viação Aérea de São Paulo – VASP tinha cassada sua licença operacional pelo então DAC, marcando o final de sete décadas de uma história cheia de pioneirismos.

De acordo com a ordem cronológica adotada em nossa série de matérias sobre o cemitério de aeronaves de Manaus, o Boeing 737-2A1/Adv PP-SMB foi a quarta aeronave a ser desativada, todavia é impossível iniciar a segunda parte de nossa série sem falar um pouco de uma aeronave que detém quase a mesma importância de seu irmão mais famoso, o PP-SMA.

Década de 1960. A VASP, com algum atraso, iniciava a transição para a era do jato. Todavia naquela época o Departamento de Aviação Civil tinha um papel que extrapolava o que faz a atual ANAC: ela regulava e autorizava a aquisição de aeronaves e distribuição de rotas. Em 1965 a VASP questionara em público e na imprensa o fato de as rotas da então falida Panair do Brasil terem sido repassadas exclusivamente para a Varig e Cruzeiro e logo em seguida assistiria os interesses da Varig novamente cruzarem seu caminho.

Somente a Varig era autorizada pela DAC para adquirir aeronaves da Boeing e, da mesma forma que ocorreria anos depois quando a VP comprou seus Airbus A300, a companhia paulista não pôde inicialmente adquirir os Boeing 737 pois a RG demonstrara interesse no modelo; por esta razão a VP trouxe em 1968 um par de BAC One Eleven.

A VASP, empresa estatal, tinha grande interesse em operar aeronaves a jato da Boeing a partir de Congonhas e inicialmente considerou a aquisição de quatro Boeing 727-200. O governador do Estado de São Paulo Abreu Sodré ratificou esta intenção em março de 1968 contudo havia um grande porém: o Boeing 727-200 não era capaz de operar no seu peso máximo a partir de Congonhas para destinos no Nordeste e na região Sul. Como a Varig desistira do 737 em favor do Boeing 727-100, a VASP teve autorização de comprar cinco Boeing 737-200, aeronave que cumpria os requisitos para voar de e para CGH.


PP-SMA, ainda na fábrica da Boeing, com a pintura original do Boeing 737-200 da VASP. Acima o PP-VJH, Boeing 707 protótipo que depois voou na Varig e na FAB como 2403



A chegada dos quatro Boeing 737-200 no aeroporto de Congonhas em 18 de julho de 1969 marcou o início da operação do Boeing 737 na América Latina. As quatro aeronaves chegaram juntas, em fila, fazendo rasantes sobre CGH. Nas campanhas publicitárias a Vasp chamava seu 737 “Advanced” de Jumbinho, numa tentativa de compará-lo ao conforto do então novíssimo Boeing 747.

O PP-SMB, apesar de ter chegado junto do PP-SMA, SMC e SMD é considerado o segundo 737 da VASP por ter saído da linha de produção após o SMA. O PP-SMB é originalmente um 737-2A1/Adv, serial number 20093, número de linha 169; realizou o primeiro vôo em 14 de maio de 1969, sendo entregue para a VASP em 18 de julho do mesmo ano, junto com o PP-SMA, SMC e SMD. Como todo bom Boeing 737-200, tinha um par de confiáveis, barulhentos e raivosos motores Pratt & Whitney JT8D-17.

Uma questão interessante sobre os 737-200 da Vasp e da Varig é com relação ao uso do termo Advanced. Originalmente os 737-2A1 da Vasp não eram do tipo Advanced, só adquirindo esta condição posteriormente através do retrofit oferecido pela Boeing: maior potência de motores, menor consumo, maior alcance, refinamento aerodinâmico, melhores freios e maior peso máximo de decolagem. Quando a Varig recebeu seu primeiro 737-200 (PP-VME) em 1974 acabou criando o termo Super Advanced, para dar a idéia ao público de que seu 737-200 era mais moderno do que o da VASP. O 737-200 Super Advanced na prática nunca existiu.


PP-SMB no GIG, 1981
Foto por Luiz André Farias


PP-SMB no GIG, 1986, no mesmo esquema de cores utilizado pelo A300B2
Foto por Jay Selman


PP-SMB em GRU, já com as cores do final da década de 1980
Foto por Gianfranco Beting



Originalmente o SMB era um avião de passageiros, e foi utilizado para este fim durante 22 anos. Em setembro de 1991 o SMB foi convertido em KMIA para a versão full cargo e transportando cargas voou por outros 14 anos. Nunca foi repassado ou transferido para outra companhia que não fosse do grupo da própria VASP. Em seus últimos anos voava com os títulos da VaspEx.


PP-SMB em FLN - Julho de 2000
Foto por Bruno Orofino


PP-SMB em POA - Maio de 2004
Foto por Marcelo Magalhães



Como mencionamos na introdução deste artigo, a VASP encerrou suas operações em caráter definitivo em 27 de janeiro de 2005. Todavia o SMB ainda operou por mais alguns dias, talvez por ser destinado ao transporte de carga. Em 04/02/2005 ao meio-dia o PP-SMB pousou pela última vez após três décadas e meia de operação, cumprindo o VSP9674 procedente de Belém. No período imediamente seguinte à suspensão das operações da VP, o SMB permaneceu na área verde onde está até hoje junto a outro 737-200, o PP-SPG e de um 737-300, o PP-SFN. O SFN foi devolvido ao lessor e voltou a voar, todavia o SPG e o SMB, o segundo 737 da América Latina, estaria condenado a permanecer no chão até que o desfecho do processo de recuperação judicial da VASP fosse conhecido.


PP-SFN, PP-SMB e PP-SPG - Junho de 2005
Foto por Ulrich F. Hoppe



A falência definitiva da Vasp foi decretada em 2008, e no ano seguinte o PP-SMB foi colocado em leilão junto de outras aeronaves da companhia:

JUSTIÇA GRATUITA - EDITAL DE LEILÃO JUDICIAL DE AERONAVES, ARRECADADOS E AVALIADOS NOS AUTOS DA FALÊNCIA DE “VIAÇÃO AÉREA SÃO PAULO SOCIEDADADE ANÔNIMA -VASP” PROCESSO Nº. 583.00.2005.070715- 4/003420-000. O DR. ALEXANDRE ALVES LAZZARINI, Juíz de Direito da 01ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais da Comarca da Capital, na forma da lei, faz saber, que atendendo ao que lhe foi requerido pelo Administrador da Falência de VIAÇÃO AÉREA SÃO PAULO SOCIEDADADE ANÔNIMA VASP, o Leiloeiro Oficial Sr. Sérgio Villa Nova de Freitas, matriculado na Jucesp sob nº. 316, devidamente autorizado por este R. Juízo, levará em Leilão Público Oficial, a realizar-se no próximo dia 16 de Junho de 2009, às 14h00, na Casa de Portugal, sito à Avenida da Liberdade, 602 - 3º andar, Liberdade, Capital/SP, as aeronaves arrecadadas e avaliadas, no estado em que se encontram, que assim se descrevem:

LOTE 01: Aeronave, BOEING 737-200-PAX, Prefixo PP-SPG, Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, Manaus/AM.


LOTE 02: Aeronave, BOEING 737-200-CARGO, Prefixo PP-SMB, Série 20093. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, Manaus/AM.

LOTE 03: Aeronave, BOEING 737-200-PAX, Prefixo PP-SMP, Série 20779. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto Internacional Luís Eduardo Magalhães, Salvador/BA.

LOTE 04: Aeronave, BOEING 737-200-PAX, Prefixo PP-SNB, Série 21095. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto Internacional Luís Eduardo Magalhães, Salvador/BA.


LOTE 05: Aeronave, BOEING 737-200-PAX, Prefixo PP-SPF, Série 21073. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto Internacional Luís Eduardo Magalhães, Salvador/BA.


LOTE 06: Aeronave, BOEING 727-200-CARGO, Prefixo PP-SFG, Série 22425. Avaliação: R$ 1.365.000,00. Localização:
Aeroporto Marechal Cunha Machado, São Luís/MA.

LOTE 07: Aeronave, BOEING 737-200-PAX, Prefixo PP-SPI, Série 21476. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto Internacional dos Guararapes, Recife/PE.


LOTE 08: Aeronave, BOEING 727-200-CARGO, Prefixo PP-SFC, Série 21071. Avaliação: R$ 1.365.000,00. Localização:Aeroporto Internacional dos Guararapes, Recife/PE. Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Lei Federal nº 11.419/06, art. 4º Disponibilização: Quarta-feira, 6 de Maio de 2009 Diário da Justiça Eletrônico - Caderno Editais e Leilões São Paulo, Ano II - Edição 466 612

LOTE 09: Aeronave, BOEING 737-200-PAX, Prefixo PP-SMH, Série 20778. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto de Brasília/DF.

LOTE 10: Aeronave, BOEING 737-200-PAX, Prefixo PP-SNA, Série 21094. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto de Brasília/DF.


LOTE 11: Aeronave, BOEING 737-200-PAX, Prefixo PP-SPH 22070, Série. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto
de Brasília/DF.

LOTE 12: Aeronave, BOEING 737-200-PAX, Prefixo PP-SMF, Série 20589. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto de Congonhas - São Paulo/SP


LOTE 13: Aeronave, BOEING 737-200-PAX, Prefixo PP-SMG, Série 20777. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto de Congonhas - São Paulo/SP.

LOTE 14: Aeronave, BOEING 737-200-PAX, Prefixo PP-SMU, Série 20967. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto de Congonhas - São Paulo/SP.


LOTE 15: Aeronave, BOEING 737-200-PAX, Prefixo PP-SFI, Série 21478. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto de Congonhas - São Paulo/SP.


LOTE 16: Aeronave, AIRBUS A300, Prefixo PP-SNN, Série 225. Avaliação: R$ 2.310.000,00. Localização: Aeroporto de Congonhas - São Paulo/SP.


LOTE 17: Aeronave, BOEING 737-200 PAX, Prefixo PP-SMZ, Série 20971. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto de Guarulhos /SP.


LOTE 18: Aeronave, BOEING 737-200 CARGO, Prefixo PP-SMW, Série 20346. Avaliação: R$ 420.000,00. Localização: Aeroporto de Guarulhos /SP.


LOTE 19: Aeronave, AIRBUS A300, Prefixo PP-SNM, Série 205. Avaliação: R$ 4.830.000,00. Localização: Aeroporto de Guarulhos /SP.

LOTE 20: 08 (Oito) Aeronaves:
20.01 - Aeronave, BOEING 737-200 PAX, Prefixo PP-SMA, Série 20092. Localização: Aeroporto Internacional Tancredo Neves Belo Horizonte/MG. 20.02 - Aeronave, BOEING 737-200 PAX, Prefixo PP-SMT, Série 20160. Localização: Aeroporto Internacional do Galeão Rio de Janeiro/RJ 20.03 - Aeronave, BOEING 737-200 PAX, Prefixo PP-SMR, Série 20157. Localização: Aeroporto Internacional Viracopos Campinas/SP 20.04 - Aeronave, BOEING 737-200 PAX, Prefixo PP-SMQ, Série 20155. Localização: Aeroporto de Congonhas - São Paulo/SP. 20.05 - Aeronave, BOEING 737-200 PAX, Prefixo PP-SMS, Série 20159. Localização: Aeroporto de Congonhas - São Paulo/SP. 20.06 - Aeronave, BOEING 737-200 CARGO, Prefixo PP-SFQ, Localização: Aeroporto de Congonhas - São Paulo/SP. 20.07 - Aeronave, BOEING 737-200 PAX, Prefixo PP-SMC, Série 20094. Localização: Aeroporto de Guarulhos /SP. 20.08 - Aeronave, AIRBUS A300, Prefixo PP-SNL. Série 202. Localização: Aeroporto de Congonhas - São Paulo/SP. Avaliação do lote 20: R$ 630.000,00.

TOTAL GERAL DAS AVALIAÇÕES (05/2006): R$ 16.800.000,00. (Dezesseis milhões e oitocentos mil reais). Todas as aeronaves serão vendidas no estado em que se encontram. Os valores das avaliações serão atualizados até a data do Leilão com base na tabela do Tribunal de Justiça. Será acrescida a porcentagem de 5% (cinco por cento), sobre o valor integral da arrematação, referente à comissão do leiloeiro, conforme Decreto nº. 21.981 de 19 de outubro de 1932, que regula a profissão de Leiloeiro Oficial. Ocorrendo sustação de quaisquer cheques dados em pagamento, ou devolução por insuficiência de fundos, fica desfeita a venda e imposta multa ao Arrematante de 20% (vinte por cento), do valor da arrematação, a qual será cobrada por via executiva, como dívida líquida e certa, nos termos do art. 580, do Código de Processo Civil, corrigida monetariamente até o efetivo pagamento. E para que produza os efeitos de direito é expedido o presente edital de leilão, que será publicado e afixado como de costume na forma da lei. São Paulo, 30 de Abril de 2009.


Abril de 2005


Novembro de 2005


Julho de 2008


Julho de 2009


Junho de 2010


Cockpit do PP-SMB - Junho de 2010


Fácil saber no que resultou este leilão: o PP-SMB continua abandonado e enferrujando na umidade de Manaus. Para os menos atentos é somente uma aeronave velha de uma empresa falida, mas por mais de 30 anos o azul do SMB se misturou ao azul dos céus brasileiros.



IV. Boeing 737-2L7/Adv PP-SPG


Como já mencionamos anteriormente, o Boeing 737-200 foi a espinha dorsal da VASP a partir de 1969. A empresa foi a primeira a operar uma frota exclusiva do mesmo modelo de aeronave (o próprio 737-200) entre 1976 e 1977, e durante sua história a VP utilizou 39 modelos de aeronaves 737-200. Desnecessário dizer que nem todas eram novas de fábrica e não tinham o código de cliente Boeing (2A1) designado para a VASP. Até meados da década de 90 a empresa continuou recebendo alguns 737-200 usados e um deles foi o PP-SPG.

O PP-SPG é um avião quase uma década mais novo do que seu companheiro PP-SMB. A Oceania e o Pacífico Sul foram o seu lar inicial: realizou o primeiro vôo em 18/09/1978 e foi entregue em 29/09/1978 com a matrícula C2-RN6 ao seu cliente original, a Air Nauru, empresa que serve ao longínquo país situado na Micronésia e que hoje se chama Our Airline. O número de série do avião é 21616 e número de linha 533, SELCAL AFBL.


C2-RN6 em MEL - Novembro de 1992
Foto por Jay Selman



O C2-RN6 voou pela Air Nauru até o ano de 1994. Em 08/12/1994 a VASP recebeu a aeronave com a matrícula PP-SPG, e a VP acabou sendo a segunda e derradeira companhia pela qual o avião voou.


PP-SPG em FLN - Outubro de 1998
Foto por Bruno Orofino



Ao PP-SPG coube a questionável honra de ter sido o último avião transportando passageiros em vôo regular a pousar em Manaus operando um vôo da VASP. Às 20h do dia 24/01/2005 o SPG pousou em Manaus procedente de Belém cumprindo o VP4198, finalizando 27 anos de vida operacional. Três dias depois a Vasp encerraria definitivamente suas operações.

A aeronave ficou a princípio no pátio de estadia do TECA, sendo transportado em meados de 2005 para a área verde onde se encontra hoje. Da mesma forma que ocorreu com o SMB, o PP-SPG ficou parado aguardando a decretação da falência da VASP. Assentos, máscaras de oxigênio, bins e safety cards permanecem dentro da aeronave. Dentre os aviões que estão na primeira área de abandono do AIEG, o PP-SPG é a que é menos visível ao público, uma vez que se encontra cercado pelo PP-SMB, PP-TPC e PR-GPT.


Novembro de 2005


PP-SMB e PP-SPG - Novembro de 2007


Cockpit PP-SPG - Junho de 2010


Cabine de passageiros - Junho de 2010


PP-SPG - Junho de 2010

22 comentários:

  1. Show de bola, Fred. Mandando muito bem na matéria.

    ResponderExcluir
  2. Salvei essas materias no note pra moatrar pra muitos vaspianos que com certeza irao se emocionar/revoltar com as lembrancas das mesmas e o fim que levaram. Materia TOP, linda de se ver e leitura cativante! Parabens Doc!
    Zaza

    ResponderExcluir
  3. Realmente uma leitura que chegar a nos emocionar, saudades desses guerreiros nos céus brasileiros.
    Fred, como sempre dando um show nas pesquisas.

    Parabéns!!

    ResponderExcluir
  4. voei na vasp com 737-200 em fev de 1980 voo galeao-congonhas -porto alegre , que privilegio eu tive,nunca me esqueço do supra sumo em embalagem personalizada vasp ,toalhinhas quentes e lenços umidecidos refrescantes , file com arroz e purê de batatas , uma latinha de refri só pra mim .....não dava pra imaginar que as coisas iriam acabar assim . o que dizer?

    ResponderExcluir
  5. triste fim dessas perolas voadoras :(

    pena que os politicos apenas se interessem em encher os bolsos e despresar a historia e a cultura dos paises ...

    belo post :)
    abraço

    mundosobreasas.blogspot.com

    Portugal

    ResponderExcluir
  6. Muito bom poder ler uma matéria como essa!!
    Trabalho de primeira!!
    Apenas um comentário, com intuito de complementar, ok!

    Os 5 732 iniciais, SMA, B ,C, D e E eram da versão Basic e então, por solicitação da VASP, a fábrica desenvolveu a versão Advanced, com os melhoramentos citados, iniciada pelo SMF que foi recebido em 1972.

    Fico por aqui, ansioso pela próxima!

    Zé Maria

    ResponderExcluir
  7. Caro Zé Maria, obrigado pelo comentário! Uma coisa interessante era a diversificacao que a Boeing fazia em seus avioes. O PP-SPG, como pode ser visto, tinha escada propria, e voce nao ve hoje mais tanta variacao.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. Frederico, seguinte:
    Que eu me lembre, todos os 732 que operaram no Brasil eram equipados com a escada retrátil da porta dianteira, sendo que os da FAB também as tinham na porta traseira.
    Acho que apenas quando a Gol começou a operar é que seus 737 e 738 vieram sem escada, apesar de possuirem o alojamento + porta do mesmo aplicados na fuselagem.

    É isso, aguardando a parte 3 para depois do carnaval, afinal ninguém é de ferro. . .

    Abraço e até!

    ResponderExcluir
  9. Frederico, seguinte: todos os 732 operados no Brasil tinham a referida escada, inclusive nos da FAB elas existiam também na porta trazeira, porém com outro esquema de operação, onde a porta basculava por completo por meio de dobradiças em sua parte inferior e desse modo a escada telescópica era estendida, ok!
    Acho que apenas quando a Gol começou a voar é que seus 737 e depois 738 não tinham escada, mesmo possuindo o alojamento + porta do mesmo aplicados na fuselagem dianteira esquerda.
    É isso, no aguardo da parte 3 para depois do Carnaval, afinal ninguém é de ferro não é mesmo!!

    Abraço do Zé Maria

    ResponderExcluir
  10. Caro Zé Maria, a terceira parte vai ficar pro fim de semana pois o Carnaval pra mim tá sendo de MUITO trabalho....abraços!

    ResponderExcluir
  11. Bate a saudade quando vejo essas fotos dos bregas e verificando as datas das fotos com as fotos do interior deles, vejo que estes bregas da vasp estão bem mais conservados que os bregas que estao abandonados em outros aeroportos do país. No caso destas fotos de junho de 2010 - segundo a legenda -, nossa o SPG ta com toda a configuração interna montada, sem falar no cockpit do SMB que não está canibalizado como o cokpit do restante das aeronaves da vasp. Esses sim acho que são os breguinhas em melhores condições de serem reaproveitados no caso em um museu. Parabéns pelo artigo.

    ResponderExcluir
  12. Alan Queiroz, tive a oportunidade de voar durante muito tempo no voo vsp-4199 a Sao Luis-MA e vsp-4198, era gostoso voar no 737-200, mais me sentia inseguro pelo tempo de serviço e falta de manutenção que as aeronaves vinham passando, e lamentável que a vasp tenha deixado de existir, mais se a sua gestão tivesse sido melhor , ela ainda existiria ate hoje, se suas aeronaves fossem substituídas pelos novos modelos 737 NG, provavelmente ela ainda estaria voando, assim como ela conseguiu arrecadar fundos para comprar aeronaves que a principio eram modernas mais que já não mais atendiam os requisitos de segurança de hoje, poderia ter se preocupado com o futuro, tudo e assim , se as que voam hoje também não se modernizarem constantemente logo-logo também terão uma bela historia de uma empresa falida.

    ResponderExcluir
  13. Eu sou uma menina de 17 anos sou loca por aviões pretendo futuramente ser piloto de avião eu acho um descaso fazer isso com esses aviões deveriam fazer tipo um museu para exibir esses aviões se eu tivesse dinheiro eu comprava todos eles mas não tenho...Por favor não fassam descaso cuidem deles eles que tanto levaram todos para todos os lugares em segurança hoje estão aí jogados como lixo... Kézia Nascimento.

    ResponderExcluir
  14. Ei pessoal, vamos juntar uma grana com todo o brasil pra restaurar a vasp ou a transbrasil que tem algumas aeronaves ainda em otimo estado como o ppsmb, ppspg eles estão em otimo estado
    vamos brasil vamos mostrar a nossa força, pois com nos, niguem pode!

    ResponderExcluir
  15. Emocionante, esplendorosa e revoltante está matéria. A equipe está de parabéns!

    ResponderExcluir
  16. Que pena, tanto serviço prestado a população e serem jogados em pleno funcionamento para a ferrugem tomar conta, muito trite, da vontade de chorar.

    ResponderExcluir
  17. O PP-SMB foi o avião que fiz meu primeiro voo como comissário em 1991.Saudades...

    ResponderExcluir
  18. Acompanho a historia destas aeronaves a algum tempo. Não pude deixar de perceber quando foi citada a aeronave de matricula PP-VME, que operou na RG e foi vendida a RLA (Rico Linhas Aéreas). A RLA adquiriu 3 Boeing 737-241 Adv da RG, o primeiro a chegar, PR-RLA (antigo PP-VMN), seguido do PP-VMM e Posteriormente do PP-VME. Chegaram a operar o PR-RLB, um 737-3Q8, 737-300 proveniente da Iceland air, que possuia avionicos analógicos, apesar de ser um 737-300.
    Hoje todos os 737-241 estão desativados. O PR-RLA encontra-se no SBEG em frente ao hangar da RLA sendo desmontado. O PP-VMM encontra-se no patio do TECA do SBEG, porém montado. E o PP-VME está em algum lugar de São paulo, abandonado em um pátio.

    Salomão Isaac - salomao.isaac@gmail.com

    ResponderExcluir
  19. ambas as aeronaves começaram a ser desmontadas em 10/9/12.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desmontadas mesmo, ou destruídas como várias que estavam em Congonhas?

      Realmente uma pena que eles não puderam continuar em serviço, ou ir para um museu. Pelos 420mil do leilão valeria a pena restaurar/reformar, provavelmente a distância de Manaus desestimulou vários possíveis compradores.

      As outras aeronaves continuam do mesmo jeito?

      A propósito, ótimo artigo!

      Excluir